quarta-feira, 12 de março de 2014

Sobre estar em paz.





Eu gosto quando você fica me olhando sem dizer nada, e os seus olhos dizem tanto...
Gosto quando você mexe nos meus cabelos, e aí, me pega pela nuca e me beija a boca.
Gosto quando você me liga no meio do dia pra dizer que ouviu uma música e lembrou de mim.
Acordar e ler o seu ‘bom dia’, dormir depois de um ‘boa noite’ seu... 
Passar o dia conversando com você no whatsapp e mesmo assim sentir sua falta.
Me sentir feliz e correr pra contar pra você. Me sentir triste e correr pra chorar no seu colo.
Gosto de dormir no seu peito, amanhecer nós dois. 
Um dia de cada vez, e cada dia mais sua. 
Me faz me sentir segura, feliz, em paz. 
E me dá frio na barriga, me faz sorrir ‘por nada’, ver beleza em (quase) tudo, ficar de bem com o mundo.
Gosto tanto de você. E gosto muito mais de mim quando estou ao seu lado.




K.

domingo, 2 de março de 2014

Quase inspiração.



Quase passou. 
Mas eu ainda sinto falta do seu bom dia, deixando o meu dia mais bonito.
Quase esqueci, mas todos os dias, (mas não mais o dia todo), eu sinto vontade de te procurar e matar a saudade. (que tá quase passando).
Quase superei, mas ainda fico esperando que você me procure pra saber se ainda penso na gente...
Agora eu tô em outra, e eu quase gosto dele. Mas de você, gostei inteira. Cada pedaço de mim te queria aqui. 
Quase deu certo, né? 
E quase foi tão lindo...



K.

sábado, 15 de fevereiro de 2014

Deletar.



Sabe, moço, eu gosto tanto de você.
E das lembranças que tenho de nós dois, entre madrugadas jogando conversa fora, e aquele beijo de tirar o fôlego.
Mas eu esperava mais. Só que eu não te culpo por isso.
Minhas expectativas, minha culpa.
Eu só queria algumas certezas, porque ninguém é feliz vivendo só de esperanças.
Queria sim ou não. Simples assim...
Eu que tinha preguiça de fazer acontecer, achei que com você podia ser diferente. De verdade. E mais bonito.
Só queria que você me olhasse nos olhos e mostrasse que ia ficar tudo bem... 
Ensaiei tantas coisas pra te dizer. Escrevi e apaguei um milhão de palavras que talvez você nem faça questão de saber quais são...
E agora que acabou, eu me pego perguntando quais erros foram meus, quais foram seus, e na verdade, nada disso importa. Você não é mais meu (se é que foi um dia), e todo dia eu acordo com saudade.
Queria que fosse diferente. Queria dizer tudo que sinto e que ainda me aperta o peito.
Quem sabe um dia, quando eu parar de sonhar com o seu sorriso, eu te procure pra saber como você está, e te contar o quanto foi difícil superar a falta que o seu abraço faz.

Só espero que estejas feliz. 
E que me esqueça devagarinho...

Beijos da (ainda) tua,


K.

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

"Nosso tempo era curto e tão pouco. E deixamos pra depois."



Na vitrola: <3 






Eu escrevi um texto imenso, fechei o Word e arrastei pra lixeira. E fico pensando que bem que poderia ser tão simples apagar sentimentos. Tão fácil quanto bloquear no twitter, remover do facebook, poderia ser apagar do coração, deletar da memória...
Eu tinha tantas coisas pra dizer. Sobre o amanhã que nunca vai chegar, sobre o que eu sinto e mal sei o que é, sobre como eu te queria aqui agora, deitado na minha cama, mexendo na minha geladeira, debochando do meu ciúme sem fundamento...
Dia oito vai ser sempre o dia de lembrar do que tinha tudo pra ‘ser’  e não foi.
E apesar de tudo, eu aprendi. 
Aprendi que só vai ser bonito se eu deixar.
Que só vai durar, se eu não continuar dando um jeito de pôr um fim antes de começar.
Que não adianta desejar um ‘felizes para sempre’ se eu nem consigo ser feliz por um dia.
E que o ‘tarde demais’ não demora a chegar, quando a gente só consegue enxergar o lado feio das coisas...
O pior de tudo é saber que não tem conserto. Que não tem volta, que todas as possibilidades de ‘ser bonito’ foram esgotadas.

O que dói é saber que não vai doer pra sempre.  Que vai virar lembrança de um dia qualquer, do que não deu certo. Um erro, um tropeço, um final de semana que não deveria ter tido fim, e que acabou cedo demais.
Ficou vontade.  De esquecer, de viver tudo de novo, de fazer valer a pena, de voltar no tempo e dizer não. 
Ficou saudade. Do colo, das piadas na hora errada, do carinho no teu rosto, da tua inquietação durante o sono, do teu sorriso com os olhos, dos três dias que valeram por mil.



Cheguei em casa, desfiz as malas, engavetei as lembranças, guardei os momentos bonitos em um canto qualquer.  

E finalmente me convenci de que vai passar. E saber disso é que dói.





K.