quinta-feira, 17 de julho de 2014

Eu, alguns clichês, e a saudade.






Eu fechei os olhos na tentativa de guardar aquele dia pra sempre na memória.
E eu quis tanto que durasse eternamente, que não me concentrei no agora, que não dei valor aos pequenos-grandes momentos que passei ao seu lado.
Queria promessas de um amanhã que não plantei, queria que você me desse certezas que nem eu mesma tinha.
Eu disse adeus tantas vezes, voltei atrás em todas elas, e foi quando o seu adeus chegou que me dei conta que já havia te perdido há muito tempo.
Agora eu tô aqui, olhos fechados, sentindo o seu último beijo, e te perdendo de vez sem poder fazer ou dizer nada que te faça ficar.
Porque acho que amor é querer ficar, mesmo quando dói. É poder ir, mas se manter ali, ao lado do outro, com a esperança de que tempos melhores estão por vir.
Se você decidiu ir, que leve consigo a certeza que me fez feliz, e que a tristeza de te perder é tão grande quanto a felicidade que senti em cada minuto que passamos juntos.
Agora vou guardar as lembranças mais lindas de nós dois, e essa saudade gigante do que poderia ter sido bonito e não foi.
E o resto eu deixo o tempo curar.




K.

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Definitivamente, não é você.




Olha, moço, não é você.
Sou eu e a minha mania de desistir de tudo que não encanta.
Não é você, é o meu costume de esperar que seja bonito, seja lá o que for.
Não quero rótulos, certezas, promessas, mas da consideração eu não abro mão.
Gosto de jogo limpo, de atitudes condizentes com as palavras, de gente que quer e faz acontecer.
De quem não dá desculpas atrás de desculpas, porque sabe que existe a opção do não e fim. Simples assim.
Gosto de gente de verdade, que fala o que pensa, que se doa, que se entrega sem pensar no depois. 
Gosto de pessoas que não usam pessoas, e não de gente que diz o que o outro quer ouvir, só pra conseguir o que precisa.
Gosto de olho no olho, abraço apertado, sorriso que vem da alma, olhar que fala sem que nada precise ser dito, saudade que não acaba. Gestos que vêm lá do coração.
Gosto de quem gosta de mim, e está perto, mesmo quando longe.
Que é ombro, que é colo, que é vontade de ficar.
E olha, moço, definitivamente, não é você. 
Sou eu e meu amor-próprio - que vai muito bem, obrigada.


K.

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Todo sentir




Faz tanto tempo que te dei tchau, e a saudade é do tamanho da eternidade.
Faltou dizer tantas coisas. 
Faltou brigar contigo por causa de tantas mentiras que você prometeu que não contaria mais.
Faltou falar que eu tô aqui pra sempre, apesar de tudo, apesar de não concordar, e nem entender tantas coisas.
Faltou viajar pra te abraçar, faltou sentarmos no chão pra comer brigadeiro, falar da vida e dos nossos (des) amores.

Faltou chorar no teu colo, e ser teu colo pra chorar. 
Faltou te obrigar a te olhares no espelho, e te ajudar a perceber que tudo o que procuravas ser estava bem aí, no teu coração.
Na tua poesia, no teu olhar cheio de alma.
No teu sorriso de menina-triste que nunca aprendeu a se amar.
Tantas vezes eu te falei sobre saudade ‘dele’. E agora, minha saudade é tua. ‘Ele’ eu já superei, mas a saudade de ti... essa o tempo não soube curar.

Às vezes eu me culpo por ter sido dura demais, outras vezes sinto raiva de ter acreditado que mudarias, mas o tempo todo eu tenho certeza que a tua ausência vai doer pra sempre em mim.
Ainda vou te dar um abraço, alguns puxões de orelha, e todo amor do mundo. 
Vai preparando o brigadeiro, porque um dia a gente se encontra. <3




Saudade de amizade que ficou pelo caminho, dói mais do que a falta do amor que se perdeu.


K.


terça-feira, 3 de junho de 2014

Não é mais sobre você.




Agora é só uma lembrança desfocada e distante de algo que até foi bonito, mas não o suficiente pra deixar saudade.
O tombo que me fez levantar mais forte.
A história que me fez aprender que nem tudo dói pra sempre, e que algumas pessoas são sim substituíveis.
E se antes parecia essencial, hoje é só uma página da minha vida, uma história superada e bem resolvida, um passado que, finalmente, passou.
E se um dia foi inspiração, agora é só um texto rabiscado no meio do tédio, e engavetado junto com aqueles sentimentos que eu achei que durariam pra sempre.

Porque quando é sobre o amor, não é mais sobre você.


  


K.